Cardiopatia Congênita: Saiba mais

Cardiopatia Congênita: Saiba mais - Valor de planos de saúde

O termo “cardiopatia congênita” se refere a doenças que são ligadas ao coração e vasos sanguíneos presentes no nascimento. Falhas no desenvolvimento embriológico do sistema cardiovascular. O diagnóstico pode ser feito ainda no útero, por meio de um ultra som da criança, após a 15ª semana da gestante. Mas, na maioria das vezes, esse problema acontece isoladamente, porém, em outros casos, a doença pode estar associada às más formações por conta de outros órgãos ou sistemas.

Em pacientes com alguma síndrome genética, como a Síndrome de Down, é provável que o paciente tenha a cardiopatia congênita. Não é um modelo o paciente nascer com essa doença, porque a mãe ou o pais tem algum defeito no genes. Não tendo hereditariedade, ela ocorre em um paciente ainda em formação dentro do útero de uma mãe saudável. Algumas pessoas que nasceram assim ou tiveram filhos com esse problema tem as chances de tudo se repetir.

Há riscos que fazem que essa doença aumente e possa fazer com que crianças nasçam assim. Essas doenças são, diabetes materna, doenças reumatológicas materna (Lupus), fertilização in vitro, gemelaridade etc.

SIMULE O SEU PLANO DE SAÚDE AQUI

Sintomas da cardiopatia congênita em crianças

A partir do momento que se desconfia de algum problema com a criança, o pediatra é indispensável. Essa doença também é diagnosticado durante a gestação, assim, tendo um cuidado dobrado. Os sintomas são:

  • Suor excessivo;
  • Cianose, que é a coloração roxa na ponta dos dedos ou nos lábios;
  • Respiração rápida e curta mesmo em repouso;
  • Baixo peso e pouco apetite;
  • Palidez e apatia;
  • Cansaço excessivo durante as mamadas;
  • Irritação.

Sintomas em pessoas mais velhas

  • Cansaço fácil em relação as outras crianças da mesma idade;
  • Infecções respiratórias frequentes;
  • Não desenvolve, nem ganha peso normalmente;
  • Coração acelerado e boca roxa após esforços.

Tratamentos da cardiopatia congênita

Essa doença pode ser curada, sim. Porém o mais eficaz em todo o processo é a cirurgia de correção. Para quem não quer fazer a cirurgia, o remédios auxiliam na melhora para a respiração e diminuir os sintomas, assim controlando a doença. São usados remédios diuréticos, betabloqueadores, para regular a frequência cardíaca, e inotrópicos, para aumentar a intensidade dos batimentos.  Mas é eficaz apenas a cirurgia.

Portanto, é preciso que os pais prestem atenção ao máximo. Deste modo, o filho irá viver bem. Com já foi dito, essa doença pode ser diagnosticada ainda no útero e em casos muito graves, o filho irá precisar de uma cirurgia para corrigir os erros, caso não optem por isso, os pais terão que saber que os filhos podem não fazer nada comum, como subir em árvores etc. Muitas pessoas vivem por anos com essa doença e só ser diagnosticada muito tempo depois. Há bebês que nascem em um estado muito grave, logo entrando em cirurgia.

Veja também