Doença do Beijo: Saiba o que é

Doença do Beijo: Saiba o que é - Valor de planos de saúde

O carnaval é a época mais esperada do ano pelos brasileiros, isso é certeza. E com essa festa a folia e a farra vem para alegrar. Mas não é só de felicidade que vive o carnaval. Além das coisas boas, existe um problema que o carnaval traz com muita força, junto com as DST’s, a Doença do Beijo, ou mononucleose (que entra no grupo de herpes), é um problema que se torna comum nessa época de carnaval, porque as pessoas não se preocupam muito com a saúde bucal e com quem está beijando. É preciso ficar atento a todas as questões para que um pequeno problema não se agrave e se torne maior.

A mononucleose é uma doença causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV), no qual faz parte da família do herpes, que atinge diversas pessoas. A sua transmissão e feita basicamente pela saliva, então é dado o nome de Doença do Beijo, mas não necessariamente a pessoa é contaminada só pela saliva, objetos de usos orais emprestados por outras pessoas há grandes chances da contaminação, como talheres, canudos e doces.

Essa doença atinge muitos jovens e adultos, entre 15 e 30 anos. Estima-se que 50% das crianças já sofreu alguma infecção causada pelo vírus da Mononucleose, mas só saberá se teve essa doença na adolescência, a partir do momento em que precisem fazer exames de sangue rotineiros.

SIMULE SEU PLANO DE SAÚDE SEM COMPROMISSO

Quais os grupos de risco da Doença do Beijo?

  • Pessoas entre 15 e 30 anos de idade;
  • Estudantes;
  • Médicos residentes;
  • Enfermeiros;
  • Cuidadores;
  • Pessoas que tomam medicamentos que suprimem o sistema imunológico.

Sintomas da Doença:

  • A febre é o sintoma principal dessa doença, chegando até 40º C;
  • Fadiga extrema;
  • Sensação geral de mal-estar;
  • Dor de garganta;
  • Inflamação da garganta que não melhora com o uso de antibióticos;
  • Amígdalas inchadas;
  • Inchaço dos gânglios linfáticos no pescoço e axilas;
  • Dor de cabeça;
  • Erupção cutânea;
  • Baço inchado.

A fadiga, o aumento dos gânglios linfáticos e o baço inchado podem levar até 6 meses para terem a cura completa.

Causas:

Por causa do vírus Epstein-Barr, um dos que mais acometem a saúde do ser humano. Uma vez espalhado, esse vírus entra em contato direto com a nossa orofaringe atingindo os linfócitos B, isto é, os glóbulos brancos responsáveis pela produção de anticorpos.

Grupos de Risco:

  • Pessoas entre 15 e 30 anos de idade;
  • Estudantes;
  • Médicos residentes;
  • Enfermeiros;
  • Cuidadores;
  • Pessoas que tomam medicamentos que suprimem o sistema imunológico.

Como o diagnóstico é feito:

A doença atinge homens e mulheres de 15 a 30 anos de idade. Se os sintomas estiverem aparecendo, é bom que o infectologista seja consultado rapidamente. Os sintomas demoram até 6 semanas para aparecer. O exame não será laboratorial, pois para essa doença não se encontra resultados significativos, sendo assim, o médico precisará ter uma conversa com o paciente. Os sintomas nas crianças são assintomáticos, ou seja, é difícil compreender se ela está realmente infectada e, para isso, o pediatra entrará em questão para esse tratamento. Essa doença é pega em crianças que não tem o costume de limpar mãos, sendo a falta de higiene.

Contudo, há alguns testes de anticorpos que podem ser feitos, através de exames de sangue, para ajudar na identificação da causa da Mononucleose. Pessoas com o vírus EBV pode apresentar:

  • Quantidade maior do que o normal de linfócitos B;
  • Aparecimento de linfócitos atípicos;
  • Quantidade menor de neutrófilos e plaquetas;
  • Alteração na função hepática.

Como tratar essa doença:

Além do uso de medicamentos para o alívio dos sintomas típicos da Mononucleose Infecciosa, outras maneiras de curá-los são:

  • Repouso intenso;
  • Ingestão de bastante água e sucos de frutas;
  • Fazer gargarejo com água salgada;
  • Evitar a prática de exercícios até você estar completamente recuperado, pois o contato com eles pode causar a ruptura do baço – que já se encontra inchado.

Por mais que os sintomas da doença possam ser curados, o vírus EBV permanece no organismo humano por toda a vida, o que pode impedir de ser curado. O risco de infecção dessa doença pode ser de 18 meses após os sintomas aparecerem. Mas uma vez que esse vírus é pego e curado no organismo, anticorpos trabalham para que haja uma barreira contra infecções do mesmo nível.

Portanto, todo cuidado é pouco nesse carnaval. Como a DST, a Doença do Beijo não é diferente, é preciso que se cuide para que não cause dor de cabeça nas outras pessoas e que isso não seja sua própria dor de cabeça, sendo assim aproveitando menos o carnaval. Tenha consciência de que a vida e a saúde é mais importante.

Veja também

Comentarios